Posso ser ainista e seguir minha fé de origem ao mesmo tempo?

Sim. Basta você se empenhar para cumprir todos os 12 princípios.

Se você já conhece o que é o Ainismo, compreende que Elohim não se importa com o formato do copo que você escolheu para colher e beber a Água da Vida, exceto se você for judeu, hipótese que você deve seguir cuidadosamente todas as prescrições da Torá aplicáveis ao seu caso com a orientação de um rabino. As demais fés não têm esta restrição e podem seguir todos os ritos de sua fé de origem que não conflitem com os 12 princípios.

Se você deseja continuar praticando a sua fé de origem, não há impedimentos, desde que você pratique todos os 12 princípios. É muito simples. Apenas tome cuidado para não praticar idolatria (1º Princípio).

Para os seguidores de fés messiânicas como o Cristianismo e o Islamismo, apenas alertamos para cumprir, na íntegra o Primeiro e décimo segundo princípio.

– Você deverá parar de ameaçar o seu vizinho com o inferno/geena se ele não acreditar no seu messias ou ele não seguir as regras morais de seu Livro Sagrado. Pratique o oitavo princípio.

– Você deve acreditar que Deus é Único, incorpóreo, além do tempo e do espaço, e que Ele não é homem, nem filho de homem, nem mulher, nem animal, nem vegetal, nem nada que tenha sido criado. Pratique o Primeiro Princípio na íntegra.

– Você deve entender que o seu messias não é o messias dos judeus. Na dúvida, estude este texto. Isto quer dizer que o ainismo insulta o seu messias? Não! Só quer dizer que o seu messias é só seu e de sua fé. Isto não o torna o “messias dos judeus”, assim como buda não é o seu messias, nem o messias dos judeus. Você pode acreditar em seu messias, mas deve ter em mente que ele não é o messias previsto pelas escrituras judaicas. Sabemos que seu livro sagrado diz outra coisa, mas não culpe Deus pelos erros das pessoas que escreveram coisas equivocadas e acreditaram nelas. Pessoas erram, pessoas falham, pessoas entendem errado e pessoas escrevem besteiras o tempo todo (inclusive nós). Lembre-se do primeiro princípio.

– Você também deve entender que as regras morais da sua fé messiânica só servem para você e que você não pode obrigar os outros a segui-las. Você não bebe? Tudo bem, mas não impeça os outros de beberem em paz. Você não gosta do casamento gay? Tudo bem, mas não impeça os outros de viverem a sua maneira. Você acha imoral fazer ou deixar de fazer alguma coisa não violenta porque está no seu Livro Sagrado? Tudo bem, mas não impeça o outro de fazê-la, nem ameace quem decidiu praticar pacificamente o que seu Livro Sagrado proíbe. Você pode e deve viver a sua moral para você e para os membros da sua família que aceitaram viver esta moral, mas você jamais poderá obrigar os outros a seguir esta moral e muito menos usar da violência contra eles para obriga-los a seguir a sua moral. Alguns membros da sua fé original poderão discordar desta posição, mas você é inteligente e já deve ter percebido que apenas os idólatras usam da violência ou da ameaça de violência para convencer os outros do acerto ou desacerto de qualquer ideia, inclusive religiosa. Portanto, insistimos: não seja um idólatra, pratique o primeiro princípio honestamente, e também pratique o sétimo, oitavo e décimo segundo princípios.

A única exceção é se você for filho de mãe judia.

Neste caso, se você não for religioso, recomendamos iniciar, imediatamente, o processo de Teshuvá. Este procedimento não é arbitrário. Ele é consequência do 12º princípio Universal. Se Deus te fez nascer de uma mãe judia é porque você precisa praticar Torá. Não se assuste, você é capaz de vencer este desafio, caso contrário, o Deus Único jamais teria deixado você nascer de uma mãe judia.

Poderíamos dizer o contrário, mas isto violaria o e o 12º Princípios universais.

Se você já é um judeu religioso, parabéns, continue assim. Você já pratica o  1º e 12º princípios universais. Você não deve praticar os outros princípios universais porque, no seu caso, aplica-se as Leis específicas ordenadas pelo Deus Único na Torá. Observe-as com atenção, conforme esta orientação.